Era pra dominar o mundo, mas esqueceram da conta

E quando o anunciante não paga? A primeira matéria da Série Propaganda é Negócio, gerou um burburinho que eu já imaginava que geraria. E já recebi muitas histórias. Que ótimo! Que a gente aprenda com as histórias contadas aqui e não passe pelos mesmos problemas, né?!
E se você já teve o desprazer de trabalhar com clientes inadimplentes e quer compartilhar suas histórias com a classe publicitaria para evitar que clientes como esses, continuem fazendo estrago por aí, mande sua história para contato@papodejob.com.br. Lembrando que não precisa identificar o cliente, nem a agência.

Vamos a história de hoje? Talvez te soe familiar…


Mas antes…. curte lá: FacebookInstagram, Linkedin. O Papo de Job na TV já está te esperando no canal do Youtube. Não esquece de se inscrever.


Era pra dominar o mundo, mas e a conta?

“Quando a gente pensa que já viu de tudo, se surpreende de novo.
Campo Grande já foi considerada terra onde malandros vinham, prometiam sonhos, davam seus golpes e desapareciam.
E como fazer quando isso acontece com gente daqui mesmo, que nem sequer esconde a cara?


Propaganda é Negócio! CalotePois é.
Essa é uma daquelas histórias incríveis, e que dão prejuízo.
Como não confiar em empresários em ascenção, que adotam uma postura ousada e empreendedora à frente de vários negócios simultaneamente?
Simples, prestando atenção ao que é apenas fachada e ostentação.
Sim, isso existe ainda em Campo Grande e funciona, porém por pouco tempo.

Lá na agência passamos meses trabalhando para “empresários” assim.
Queriam reposicionar uma das empresas após mudança na composição de sócios e queriam ganhar mais espaço e cidades.
Campanhas sequenciais, conceitos e muitas peças.
E o pagamento?
Quase nada, pois afinal, bons argumentos não faltavam, e havia sempre “dinheiro grande para receberem”.
A dívida deles com a agência cresceu no mesmo ritmo que diminuíram os contatos.
Os contatos zeraram, a conta não.
Mas a ostentação pública continua, mas também caindo em descrédito, pois já colecionam negócios capengas e sem pagamento a parceiros e fornecedores.
O final dessa história não é difícil prever.
A conta deles já vai fazer aniversário, sem ter o que comemorar, mas bolo eles já nos deram vários.
Agora estamos indo pro último round da cobrança, e depois vira judicial e sem segredo.
O lado triste disso é os empresários acharem que negócios desse tipo perduram.
Antes da campanha, às vezes a melhor estratégia é a humildade, empresarial e pessoal.

A torcida real é para que se alinhem e honrem com seus compromissos, até mesmo por proteção ao que eles mais se importam: imagem.
E que o segmento de publicidade seja respeitado, para que possam fazer uso disso e deste mercado sem maiores vexames.

E que os bons anunciantes, somente eles, tenham vida longa”.

Você pode gostar...